Alejandro Sanz está de volta com novo álbum de inéditas, “Sanz”

Alejandro Sanz tem escrito músicas durante toda sua vida. Ele estudou a fundo sua anatomia, aprofundou sua genealogia, experimentou as múltiplas permutações da somatória de melodia + letra. Em seu novo álbum, a partir desses materiais essenciais, ele constrói um trabalho que surpreende por sua consistência e também por seu dinamismo e variedade de registros. Dez canções que pulsam com uma batida flamenca sutil, nas quais coexistem o acústico e o eletrônico, ritmos ancestrais simples e arranjos orquestrais ambiciosos. Com uma abordagem minimalista – as palavras certas, a melodia cativante – ele conquista um território de máximas artísticas. Cada peça sobre “Sanz” – produzida por Alfonso Pérez com Alejandro Sanz e Javier Limón – tem sua própria entidade, mas vale a pena prestar atenção ao todo para apreciar o trabalho como ele merece. Em tempos de atomização e dispersão, de singles órfãos de continuidade e faixa sem fixação conceitual, o músico madrileño aposta em um álbum que enriquece sua linguagem característica.

Assim que se pressiona o play, “Bio” vem à tona, uma inesperada composição de palavras faladas temperada com acústica, piano e breves notas de cordas. Sanz recapitula em um corajoso exercício de memória que se conecta com o presente e serve para nos colocar na situação. A viagem promete, é claro. E continuando a ouvir o álbum, esses votos se concretizarão. Sanz nos surpreenderá refinando seu próprio padrão em canções irresistíveis como “Mares De Miel”, “Yo No Quiero Suerte” ou “Si Yo Quisiera Y Tu Pudieras”, nas quais ele emprega recursos magistrais: meias oitavas supersônicas, harmonias vocais e arranjos em progressão que tendem ao infinito. Há também incursões no território da melhor música negra que podemos imaginar – “No sé qué me pasas” -, ambrosia analógico-digital de sensualidade imprevisível – “Geometría” – e confissões tocantes a um ritmo downtempo, como “Iba”.

Além disso, “Sanz” promove um reencontro emocionante com seu saudoso amigo Paco de Lucía em “La Rosa”, estabelecendo uma conexão temporal com o valioso legado dos Nuevos Flamencos. E ele conclui com um encontro no ápice da canção popular espanhola graças a “Ya ya te quería”, composta especialmente pelo maestro Manuel Alejandro, uma confirmação incontestável da tese que propusemos no início: “quando a letra certa e a melodia certa andam de mãos dadas, a canção decola. E não haverá ninguém para impedir”.

Desde sua estreia, em 1991, com “Viviendo Deprisa”, Alejandro Sanz se estabeleceu como um dos artistas mais conhecidos e influentes do mundo, com mais de 25 milhões de álbuns vendidos. Todos os seus álbuns conquistaram Certificados de Platina na Espanha, América Latina e nos Estados Unidos.

Ele também é o artista espanhol com mais prêmios Grammy da história, com um total de 4 e 25 prêmios Latin Grammy. Em 2017, ele foi homenageado pela Academia de Grabación Latina (Academia Latina de Gravação) como “Pessoa do Ano”, em reconhecimento à sua carreira e às suas significativas contribuições filantrópicas.

Ao longo de sua carreira, Sanz colaborou com artistas renomados de todo o mundo, incluindo Alicia Keys, Shakira, Destiny’s Child, Laura Pausini, The Corrs, Ivete Sangalo, Emeli Sandé, Juanes, Juan Luis Guerra, Marc Anthony, Alejandro Fernández, Camila Cabello, Nicky Jam e o lendário Tony Bennett.

Alejandro Sanz foi escolhido como representante da Europa na abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 para apresentar uma versão emocional do clássico “Imagine” (obra imortal que John Lennon gravou em 1971), arranjada por Hans Zimmer, juntamente com outras quatro figuras do mundo da música: John Legend, representando o continente americano; Keith Urban a Oceania, Angelique Kidjo a África, e as vozes do Coro infantil Suginami do Japão, representando a Ásia.

O artista madrileno ganhou recentemente sua própria estrela na famosa Calçada da Fama de Hollywood.

%d blogueiros gostam disto: