ALVA lança EP “De Onde eu Vim o Amor não Acaba” e clipe de “All This Drama”, parceria com Luccas Carlos

ALVA - Lana Pinho -3_Easy-Resize.com
Foto: Lana Pinho

Encerrando o ano de 2020, um ano intenso, em que o público da ALVA teve muitas surpresas. O exercício de olhar para si, de buscar seu lugar no mundo e de se posicionar independente da sociedade foi o caminho trilhado pela cantora ALVA. A artista deixou Tais Alvarenga no passado, se reinventou e assumiu seu lugar dando voz a temas como auto aceitação, ditadura social sobre corpo e saúde mental por meio de suas canções. Agora, a cantora encerra o primeiro ano deste novo ciclo com o EP “De Onde eu Vim o Amor não Acaba” que chega a todos aplicativos de música nesta terça-feira, 15 de dezembro. Com seis faixas, o projeto apresenta as inéditas “All This Drama”, parceria com Luccas Carlos, e “Muito Esperto”, além das já lançadas “Meu Bem”, “Honestamente”, “Como Vai Ser” e “Amor que Chora”.

O EP apresenta uma narrativa de um processo de libertação emocional e física, fugindo dos padrões do mercado musical e incitando ao público um novo diálogo, que pode parecer romântico, mas que na verdade propõe uma evolução individual, busca novos caminhos de si e de leveza pela frequência da quinta dimensão. “All This Drama”, que apresenta a parceria com Luccas Carlos, é um exemplo de que as frases, que com um primeiro olhar remetem a uma ideia romântica, revela possibilidades de um processo de libertação que só depende de si mesmo.

O clipe apresenta ALVA de forma diferente da vista em “Meu Bem”, em que ela estava na posição passiva, mostrando a ditadura estética sofrida pelas mulheres. Desta vez, a cantora fecha o EP com um clipe onde ela está em uma posição de poder e segurança. Apontando um caminho de leveza e respeito para a figura feminina. A atitude é nítida ao interpretar a letra, nos looks, a força de uma coreografia simbólica, além de trazer a presença forte do cantor Luccas Carlos para esse universo.  

“Muito Esperto” também se apresenta como uma canção romântica, mas se engana quem pensa que sua profundidade acaba em pequenos desentendimentos de um casal. “Não conheçe mais inteligente, mas toda semana me chama de louca. Me faz crer que sou linda bem natural, mas curte demais essa mina editada, segue comenta as de comercial”, são apenas alguns dos estrofes que entregam um relacionamento abusivo, e também trazendo à tona novamente questões sobre a pressão estética. 

O recado vai além, e a cantora desafia os homens em geral: “Sou Brasileira, sou neta de Índia. Aqui tu não mexe, comigo não brinca”. A autora se refere aos “exposeds” e ameaças que mulheres sofrem quando decidem não se calar e a força que precisam ter ao sair de relações abusivas. Mesmo com as dificuldades de ir embora das relações, pessoais e profissionais, as mulheres estão mudando e não vão aceitar mais esse tipo de postura.

“Não é fácil olhar pra si e entender que toda a sua narrativa com o outro existe à partir das suas próprias faltas e prisões de muitas estruturas sociais. Ao mesmo tempo, é lindo ver que esse mesmo olhar tem levado a sociedade, mesmo com todos os medos, a se posicionarem com suas verdades e evoluções”, conta ALVA.

“De onde eu vim o amor não acaba” é um grito de um processo de libertação em todos os aspectos, enfrentando as dificuldades e as solidões. Mas é também um aviso de que vamos enfrentar o que for preciso, mesmo com medo, e com um amor que não acaba no peito, o amor incondicional que estamos aprendendo a viver. As nossas estruturas emocionais vão mudar, estamos mais fortes e com um caminho verdadeiramente poderoso à frente”, completa.

Além das inéditas, o EP ainda contempla as já lançadas “Meu Bem”, “Honestamente”, “Como Vai Ser” e “Amor que Chora”.

%d blogueiros gostam disto: