Artista piauiense Deibe lança EP em meio a turbilhão imerso à calmaria do mar

Deibe - Divulgaçao (1)_Easy-Resize.com
Foto: Thiago Aragão/Divulgação

No meio desse turbilhão de emoções que estamos vivendo, o artista piauiense radicado no Ceará, Deibe, lança o EP “Imerso”. Com duas músicas: “O Canto de um abraço” e “Deixa Passar”, o artista traz um alento para os ouvidos mais sensíveis. As canções nascem na dualidade, mas se complementam na leveza que é trazida pelo mar.

“Acho a primeira música bem praiana e ao mesmo tempo noturna. Já a segunda é o mar total, trazendo na letra a entrega ao ar que o mar traz, de deixar fluir. Sendo que só aquela ‘paz do mar’ pode te fazer melhor e ninguém ‘lá fora’ está dando importância a isso. Quem tem que dar importância a sua paz é você”, explica Deibe.

“Deixa Passar” chega com clipe nos moldes da quarentena, sem poder sair de casa, o artista optou por uma montagem de imagens de praias e tudo feito por ele mesmo que dirigiu, editou, coloriu e finalizou o vídeo.

“O clipe se passa em primeira pessoa. Então tentei passar a chegada ao mar, num tom avermelhado, cortes que vão e voltam no tempo, no meio do clipe o eu lírico deitado na areia olhando o céu, na parte final do clipe a alma está leve sobrevoando a imensidão do mar, posto a leveza que ele mesmo causou. No fim de tarde vem o mergulho. É quando a parte acelerada se inicia, e aí tentei passar uma sensação lúdica que a água do mar trouxe, e por fim voltar pra beira, mas isso pode muito bem ser interpretado como um encontro consigo mesmo”, conta.

Ligado às novas tecnologias que demandam não só uma música, mas também um conceito visual, Deibe imaginou um clipe para as duas faixas, mas como o segundo geraria aglomeração, ele resolveu deixar para depois da pandemia. Para ele é importante buscar também este apelo. Com “Deixa Passar”, música que é quase um mantra, ele conseguiu buscar as imagens necessárias para transmitir a mensagem.

A capa foi uma feliz coincidência: “Encontrei a foto por acaso, achei que teria tudo a ver, pela divisão perfeita de céu e mar comigo ali no centro”, relata Deibe.

Para gravar as duas canções, Deibe e os músicos que o acompanham: Alexandre Tiás (baixo), Guilherme Santos (guitarra e sintetizador) e Wanderson De Maria (bateria e percussão), que fizeram um mergulho dentro do estúdio de gravação durante três dias, o que ajudou na hora de nomear o EP.

“Esse título tem a ver incialmente com o estilo da música que eu e a banda ensaiávamos e produzíamos. Tentamos explorar o silêncio e as nuances de ambientações. Ficamos juntos por 3 dias, num processo de dormir e acordar lá, produzir, passar o dia junto, produzir, madrugar. Realmente foi uma imersão”, narra Deibe.

As músicas miraram na nova MPB, no indie e no novo folk. Ele conta que em “’O canto de um abraço’ tivemos Curumin e Mac Demarco como algum norte, e em ‘Deixa passar’ Radiohead e Luedji Luna”. O que já revela grande parte de suas influencias, que passam também pelos Los Hermanos, bem como no trabalho solo de Marcelo Camelo e Rodrigo Amarante.

A onda na MPB também pode ser sentida com o protagonismo que ele dá para o violão, o primeiro instrumento que começou a tocar quando ainda tinha 13 anos. É nele, que Deibe geralmente inicia as suas composições.

Assista “Deixa Passar”:

Ouça:

%d blogueiros gostam disto: