“Não existe era rock”, afirma Anitta sobre “Boys Don’t Cry”

Quem achou que Anitta estava entregando uma nova era com o lançamento de “Boys Don’t Cry”, seu novo single e clipe, com inspiração em temática oitentista e bandas como Panic! At The Disco, está enganado. Em entrevista concedida a jornalistas nesta sexta-feira pouco antes de embarcar dos Estados Unidos ao Brasil onde vai passar pouco mais de um dia, Anitta enfatizou que não existe era rock em sua atual fase da carreira. “Eu faço o que me deu na telha. Não existe era rock da Anitta. Não veio era nenhuma, só o que eu queria fazer. Eu amei e tudo que faço é meio que de intuição, porque deu vontade”, contou.

A faixa é mais um single do aguardado álbum “Girl From Rio”, que tinha previsão de lançamento em outubro passado, mas foi adiado e segue sem data para sair. Anitta inclusive ‘cutucou’ a indefinição por parte da Warner Records e disse que hoje só decide “roupa, maquiagem e o boy que vai pegar”. Datas e campanhas ficam a cargo da companhia. E a divulgação do single chega fervendo com a participação de Anitta na próxima semana no talk-show do Jimmy Fallon, um dos maiores apresentadores dos EUA. Será a terceira participação dela no programa.

ZONA DE CONFORTO
A artista contou que em nenhum momento sentiu que saiu da zona de conforto com a pegada roqueira de “Boys Don’t Cry”, porque mesmo que alguns não saibam, ela teve essa fase na adolescência. “Tem memes na internet com fotos, shows de rock, era só um lado que os fãs não conheciam”, completou.

E o clipe mostrou que Anitta teve ótimas inspirações. Ela contou que o clipe começou a formar na cabeça assim que recebeu a música pronta. Segundo ela, as inspirações visuais são em filmes e séries, não em música. “Não gosto de assistir nada de cantor, eu gosto de assistir a filmes, séries, e o clipe resolvi fazer numa estética de Tim Burton, meio dark pop, funny, com cenas de filmes que eu amo”, acrescenta. Dentre eles estão “Titanic”, “Beetlejuice”, “Priscilla: A Rainha do Deserto”, “Noiva em Fuga”, “Harry Potter” e “Meu Namorado é um Zumbi”.

Um show à parte, os figurinos do videoclipe ficaram a cargo da espanhola Sita Abellan, famosa por seu trabalho de styling com o cantor J Balvin. Apesar de fazer referência a filmes conhecidos e amados pelo público, a moda do videoclipe de “Boy Don’t Cry” é moderna e contemporânea, inspirada também pelo universo punk idealizado pela estilista britânica Vivienne Westwood. 

A inspiração para a música? A malandra conta que sempre que está em estúdio tenta falar de algo em seu momento – e em “Boys Don’t Cry” havia ex-namorados na jogada. “Tem homem que não aguenta quando a gente é independente, dona de si, sabe o que quer e depois eles ficam arrasados, e eu vou lá, faço o jogo virar e eles ficam tristes”, conta.

A fase de divulgação de “Girl From Rio” começou há menos de um ano, com foco nos Estados Unidos, embora a artista já seja conhecida por lá há mais tempo. Mesmo já tendo grande reconhecimento, conquistado território, amigos, fãs, ter participado de grandes programas de TV, Anitta acredita que ainda pode levar um tempo para que a carreira chegue ao patamar da que ela tem no Brasil. Ela lembra que aqui no Brasil, levou cerca de quatro anos para consolidar a fama.

“Se no Brasil demorou quatro anos para que uma música tomasse o país inteiro, não vai ser aqui que vou querer as coisas rápido. ‘Girl From Rio’ foi minha primeira música em inglês nas rádios, faz menos de um ano, e essa música (Boys Don’t Cry) agradou ainda mais os radialistas. Já tá tocando na rádio tipo hoje, o que é bem legal”, comemora.

Conforme Anitta, por conta de sua projeção internacional, existe uma expectativa dos brasileiros em vê-la como uma popstar global por nunca terem presenciado algo antes assim. “Fica uma pressão das coisas serem rápidas e grandes como é no meu país e não quero isso (nos Estados Unidos). As pessoas me veem grande mas esquecem o tanto de hate que levei no Brasil. Hoje as pessoas sabem o que é cultura do cancelamento e na minha época ninguém falava disso”, lembra, relatando ainda as consequências psicológicas que isso causa nas vítimas.

O ano de 2021 foi movimentado para Anitta, que lançou singles em cinco línguas diferentes, se apresentou em alguns dos programas de maior audiência dos Estados Unidos, como o “Today Show” e “Jimmy Kimmel LIVE”, além de ter cantado no Grammy Latino, no MTV Video Music Awards e no especial de réveillon da cantora Miley Cyrus. Além disso, ela compareceu ao MET Gala, maior evento da moda mundial.

%d blogueiros gostam disto: