Nova série do YouTube Originals, apresentada por Agnes Nunes, celebra Elza Soares, Sandra Sá e grandes cantoras negras

Liniker e Agnes Nunes

Estreia no dia 16 de dezembro a série Abre Alas, nova produção do YouTube Originals, no canal da cantora baiana Agnes Nunes. Na série documental de seis episódios, a jovem faz uma homenagem às mulheres pretas que abriram caminho no mercado musical do país para outras artistas negras e sempre foram suas inspirações.

A série Abre Alas faz uma reflexão sobre o passado e o presente das mulheres negras na música produzida no Brasil. A produção reúne ícones de diferentes gêneros musicais para descobrir como uma precursora abre caminhos para a geração seguinte de cantoras. Dividida em seis episódios, a série original criada pela Hysteria e produzida pela Conspiração traz Agnes se encontrando com grandes nomes como Elza Soares, Sandra Sá, Preta Gil, Liniker, Tássia Reis e Margareth Menezes para compartilhar histórias e experiências de vida e carreira, além de cantarem juntas.

Com 19 anos de idade, Agnes Nunes conquistou o público na internet com covers de músicas de diversos artistas, de Alceu Valença a Gloria Groove, arrancando elogios de famosos como Caetano Veloso e Elza Soares. Enquanto trabalha no seu primeiro álbum de estúdio, a cantora lançou três singles e clipes neste ano: Última Dança, Cabelo Bagunçado, e VISH, que já conquistaram milhões de visualizações no YouTube.

“Eu me sinto honrada em poder apresentar essa série documental que fala sobre histórias de mulheres tão admiráveis, que me inspiram desde sempre, na música e na vida. Hoje, me espelho nessas e em tantas outras para trazer a minha música com amor e verdade, pra que daqui muitos anos eu continue sendo ouvida e entendida, assim como Elza, Sandra, Margareth e tantas lindas vozes pretas”, afirma Agnes Nunes.

“Agnes é uma jovem potência da música brasileira e é fantástico poder assistir a esse encontro com mulheres tão poderosas e com um impacto gigante no mercado musical. Essa troca entre gerações mostra como cada artista  pode abrir caminho para muitas mulheres e apoiá-las nessa caminhada”, conta Ligia Lima, gerente de parcerias e líder da estratégia de YouTube Originals para o Fundo Vozes Negras no Brasil.

“Abre Alas é um marco na minha carreira. O convite chegou da Hysteria, que tem esse papel de colocar as mulheres à frente das narrativas. Foi a primeira vez que eu fiz um projeto apenas sobre mulheres negras com uma equipe majoritariamente feminina e maciçamente negra. Eu olhava ao meu redor e me via ali”, conta Maristela Mattos, diretora e roteirista da docussérie. 

%d blogueiros gostam disto: