“Oceano Sem Lei”: livro-reportagem já teve os direitos adquiridos por Leonardo DiCaprio e Netflix para a produção de uma série documental

Vencedor do prestigioso prêmio Pulitzer, Ian Urbina apresenta um trabalho investigativo inédito sobre a realidade de quem atua em um dos espaços naturais menos policiados do nosso planeta. Oceano sem lei, que chega às lojas em junho pela Intrínseca, é fruto da experiência vivida em uma jornada de 40 meses. O jornalista norte-americano percorreu mais de 400 mil quilômetros, visitou 40 cidades de todos os continentes e navegou mais de 12 mil milhas náuticas por cinco oceanos e vinte mares para oferecer um relato surpreendente e inédito sobre histórias e vidas que se perdem na imensidão azul.
 
O livro teve origem em uma série de reportagens inovadoras escritas pelo autor e publicadas pelo The New York Times, que rendeu a Urbina sete importantes prêmios e foi o ponto de partida para a criação de The outlaw ocean project (https://www.theoutlawocean.com) — organização de jornalismo investigativo sem fins lucrativos que produz histórias de grande impacto sobre a ilegalidade e a diversidade de abusos que ocorrem em alto-mar em todo o mundo. Em tom de diário de viagem, o jornalista conta histórias de coragem, brutalidade e sobrevivência ao revelar uma rede global de crime e exploração vinculada às indústrias da pesca, do petróleo e da navegação, fundamentais para a economia mundial.
 
As aventuras de Urbina vão desde presenciar um conflito armado entre dois países, com reféns dos dois lados no mar da China Meridional, naufrágios e inícios de motins até a descoberta de um depósito de armas marítimo no golfo de Omã. Um dos episódios mais empolgantes foi acompanhar o trabalho de ambientalistas justiceiros, que no Atlântico Sul perseguiram o barco de pesca ilegal mais procurado pela Interpol e também caçaram e importunaram o último baleeiro do Japão. “Meu objetivo não era apenas relatar a situação difícil dos escravos embarcados, mas também dar vida ao elenco completo de personagens que vagam pelo alto-mar. Esse elenco incluía ambientalistas justiceiros, ladrões de naufrágios, mercenários marítimos, baleeiros insubordinados, cobradores de dívidas, barcos que oferecem aborto em alto-mar, descarregadores de óleo clandestinos, caçadores difíceis de pegar, marinheiros abandonados e clandestinos à deriva”, conta Urbina.
 
O Brasil tem destaque no capítulo que relata o embate entre pesquisadores brasileiros e companhias interessadas em perfurar o solo oceânico em nosso litoral. Essas empresas ganharam, em 2013, concessão do governo para explorar a área em busca de petróleo, mas desistiram depois que o Greenpeace auxiliou os cientistas na realização de um estudo que provava a existência de corais na área de recifes — um ecossistema vivo e rico que fornece proteção e alimentação a diversas formas de vida marinha.
 
Além de ser um raro trabalho investigativo sobre as manobras silenciosas que ocorrem nos mares de todo o planeta, Oceano sem lei lança luz sobre a legislação praticamente inexistente  que permite casos como o vazamento de 5 mil toneladas de óleo na costa brasileira em 2019 — cuja origem até hoje é desconhecida. Com riqueza de detalhes, Ian Urbina traz à tona, pela primeira vez, a realidade perturbadora do mundo flutuante que nos conecta: um lugar onde qualquer um pode fazer qualquer coisa porque ninguém está vigiando.

%d blogueiros gostam disto: