Marketplace brasileiro lança NFTs colecionáveis de Bezerra da Silva

A Brodr, primeiro marketplace dedicado a royalties musicais no Brasil, vai lançar uma série limitada de NFTs do cantor e compositor Bezerra da Silva. A primeira peça escolhida e incluída no leilão foi a boina que Bezerra usava em seus shows e apresentações com um lance de R﹩1. O acessório faz parte dos NFT’s colecionáveis , ou seja, o sortudo que conseguir arrematá-lo no leilão, receberá em casa o item. O violão do cantor também estará disponível para arremate, a partir de R﹩ 100 mil de reais, com expectativa de chegar a R﹩ 1 milhão.

De acordo com Khalil Sautchuk, COO da Brodr, 10% do valor arrecadado no leilão do violão será doado para o IBS – Instituto Bezerra da Silva que reverterá em cesta básica para distribuição em comunidades carentes do Rio de Janeiro, como Vidigal, Cidade de Deus, Vila Cruzeiro, Jacarezinho, Canta Galo, Juramento e Chapéu Mangueira.

Além disso, todos os investidores que compraremos NFTs Colecionáveis, vão ter prioridade de compra dos ativos musicais, ou seja, podem se tornar proprietário de M-Shares (Music Share), que são cotas/frações das obras de Bezerra, ao total o catálogo disponibilizado contém 86 músicas, entre elas Vítima da Sociedade, Desabafo de Juarez da Boca do Mato e Se Leonardo dá Vinte. Elas serão divididas em 153 M-Shares, com cada uma sendo vendida a partir de R﹩1 mil.

O CEO da Brodr, Ricardo Capucio, conta que a grande vantagem do investimento em direitos musicais é a possibilidade de uma renda acima da fixa com baixo risco, pois trata-se de um investimento não correlacionado às flutuações do mercado financeiro. “Os NFTs M-shares, que dão direito ao recebimento dos royalties das músicas de Bezerra são considerados um ótimo investimento. O que influencia o retorno financeiro dos ativos por meio de NFT é o quanto as músicas do artista escolhido tocam nas mídias digitais e em locais públicos. Isso faz o investimento ser relativamente seguro”.

Uso do NFT:
A tecnologia usada pela empresa para comercializar os royalties é o NFT (Non-fungible token), uma chave eletrônica criptografada que gera um certificado de autenticidade.

O uso do NFT tem movimentado o mercado de investimentos. No Brasil a tecnologia está cada vez mais presente e vem ganhando presença relevante na indústria da música. A venda de ativos musicais por meio desse sistema permite que investidores, cantores, compositores, fãs e o público em geral tenham acesso a um mercado que gera receita milionária e tende a ser um dos modelos de negócio mais promissores para os próximos anos.

De acordo com a Global Music Report, da IFP (Federação Internacional da Indústria Fonográfica) 60% da arrecadação financeira no setor está ligada à venda de ativos. Sempre que uma música é tocada nas plataformas digitais, em público ou regravada, a receita gerada é distribuída para os “Brodrs”, clientes da startup.

Como participar do leilão:
Os interessados em participar do leilão, devem fazer cadastro no site do marketplace https://brodr.com/, realizar uma transferência por PIX direto para a carteira digital para ser utilizado no lance, caso o valor seja coberto por uma aposta de valor superior, o dinheiro é devolvido automaticamente para a carteira digital, assim sucessivamente até o arremate do produto.

A Brodr colocará a cada semana um item dos NFTs colecionáveis para ser leiloado. O primeiro NFT Colecionável é a boina que terá lance inicial de R﹩ 1 real. Por último o violão que poderá ser arrematado por quem der lance de a partir de R﹩ 1 milhão de reais. Intercalados aos leilões dos colecionáveis, a Brodr vai lançar os M-Share, que seguem com precificação fixa.

%d blogueiros gostam disto: