Rainer Cadete lança EP questionando machismo e masculinidade tóxica

Foto: Renato Mangolin

Com a chegada à “maioridade” em sua carreira artística, Rainer Cadete está se lançando em novos desafios. No ar como Visky na reprise de “Verdades Secretas”, o multiartista lançará dia 24 de setembro em todas as plataformas digitais o single e o videoclipe de “Esse negócio de ser macho”. A canção chega como música de trabalho do álbum “Leves e Reflexivas”, majoritariamente recheado por canções inéditas criadas por ele em parceria com o também ator e músico mineiro Renato Luciano.

“Esse Negócio de ser Macho” é a reunião das reflexões dos artistas sobre o lugar do masculino no mundo, expondo um lugar sensível da masculinidade enquanto performance e trazendo um olhar teatralizado das suas nuances e texturas. A música questiona um modelo padronizado e universal de masculinidade, que se mostrou adoecedora não só para homens, como também para todos aqueles que orbitam essa masculinidade.

Para a dupla, a questão que se coloca de forma poética é: como a masculinidade pode coexistir com os outros e todas as outras formas de ser/estar no mundo? Como se libertar de um lugar limitador das experiências dos homens? Como fugir de um lugar de dominação e violência? A música inaugura o álbum e une toda a bagagem musical premiada de Renato Luciano, suas composições e experiência teatral, com os estudos vocais e novas descobertas de Rainer Cadete, ator consolidado que agora, aos 34 anos, se lança como cantor.

Além do talento e admiração pelo trabalho um do outro, Rainer e Renato compartilham o desejo de descoberta existencial. Assim, diante do período de isolamento social que nos foi imposto, entraram em contato com o mais íntimo dos pensamentos e criaram juntos o álbum, que surge desse encontro pandêmico e virtual.

“O álbum é dividido em duas partes, uma delas – assim como o nome propõe – é mais leve e divertida, e traz canções sobre amor e relações humanas. A parte mais reflexiva eu canto junto com o Renato e falamos sobre temas difíceis, como o machismo”, adianta o ator brasiliense. Integrante da trupe teatral Barca dos Corações Partidos, o ator, cantor, compositor e instrumentista Renato Luciano acredita que a palavra “macho” e sua performance estabelecem um peso na sociedade.

“A cultura do ‘macho’ carrega certa violência desde a criação dos filhos. Os brinquedos dos meninos já são desenvolvidos para que eles aprendam a fazer guerra, lutar, bater. O homem não pode chorar, a relação social entre os homens é sempre mais seca e difícil, e isso traz consequências psicológicas. E ainda existe a questão da violência contra a mulher, que também é atravessada pelo estigma do macho. Achamos extremamente importante abordar este tema neste momento político, porque bandeiras misóginas, homofóbicas e racistas estão sendo levantadas. E a música tem grande poder de transformação”, reflete Renato.

Sob a direção de Duda Maia, o clipe cria uma atmosfera de introspecção dentro de um ringue de boxe, e é dentro dele que toda a narrativa se desenrola, fazendo do espaço uma ferramenta de diálogo com uma masculinidade agressiva, mas que não se deixa aprisionar lá. Com muita elegância e um toque de estética queer, o ringue é desconstruído e ressignificado.

A estética do vídeo subverte o tradicional, com o uso das cores rosa e azul de formas criativas, brincando com estampas e símbolos, trazendo releituras sobre o brega e o cafona de ser macho. A questão central que se coloca no projeto é a compreensão da existência de plurimasculinidades, e que elas não precisam ser tóxicas nem obrigatórias.

%d blogueiros gostam disto: