Sub Urban: “A própria tecnologia que me trouxe o sucesso distorceu minha ideia do que é boa música”

Uma união do dark pop que vai fazer história, Sub Urban e Aurora lançaram recentemente o single “Paramour”, primeiro feat da carreira da cantora norueguesa e a última faixa que o cantor americano lançará em 2021. Na faixa, o arranjo de cordas combinado a voz de Sub Urban fala sobre a desconexão entre pai e filho, mesclando com o pop de Aurora. O estilo gótico e sombrio dão o tom ao vizualizer, com muito misticismo, ultrapassando os limites de fantasia e realidade, característicos de Sub Urban.

Sub Urban, compositor e produtor de Nova York, nascido Daniel Maisonneuve, tem uma carreira meteórica. Surgiu em 2019 no TikTok após viralizar com a música “Cradles”, que lhe rendeu um contrato com a Warner. A faixa chegou a ocupar o primeiro lugar dos charts de música alternativa nas rádios dos Estados Unidos, recebendo selo de platina. No Brasil, recebeu selo de platina pelo single “Freak”, lançado em 2020. Sub Urban é muito popular entre a geração Z, especialmente no TikTok, com mais de 35 milhões de likes e uma média de 13 milhões de criações na plataforma usando suas músicas.

Com apenas 22 anos, Sub Urban já conta com mais de 1 bilhão de streams globais, mais de 8 milhões de ouvintes mensais no Spotify, mais de 884 milhões de views em seu canal do YouTube, e tem atualmente mais de 9,2 milhões de seguidores em todas as redes sociais.

“Paramour” é o terceiro single lançado por Sub Urban este ano, seguindo os sucessos “Patchwerk” parceira com Two Feet e “Inferno” com Bella Poarch que ultrapassou a marca de 100 milhões de streams e 80,8 milhões de views no clipe oficial. Sub Urban também trabalhou na direção criativa do hit “Build a Bitch”, lançado pela cantora no início do ano e que se tornou a maior estreia do YouTube para um novo artista, com 75 milhões de views na semana de lançamento, e atualmente ultrapassa 330 milhões.

Em entrevista ao Caderno Pop, Sub Urban falou sobre a parceria e como percebeu uma mudança na indústria musical por causa da internet – a mesma ferramenta que lhe rendeu a fama. Confira:

Já se passaram três anos desde o lançamento de “Cradles”, que se tornou viral no TikTok, e por causa do seu sucesso, você ganhou um contrato com uma gravadora. Desde então, você lançou outros grandes sucessos mundiais, colaborações e agora uma delas com Aurora. Como é o processo de escolha de suas colaborações? Os artistas são pessoas que você admira, que têm a ver com seu estilo?
Os principais elementos que procuro em possíveis colaborações são se a música e a estética de um artista se alinham com a visão da música e meu projeto artístico. O escopo de artistas cujo estilo é compatível com o meu é bastante limitado, então pode ser desafiador às vezes.

Seu novo single é a primeira colaboração na carreira de Aurora. Qual é a sensação para você? Vocês já ficaram de olho e seguiram os trabalhos uns dos outros antes desta oportunidade de colaboração aparecer?
Fazer parte de sua primeira colaboração é uma grande honra. Estou familiarizado com o trabalho dela há algum tempo, e pelo motivo exato de que antes disso ela nunca havia colaborado com ninguém, certamente não esperava ser o único a mudar isso.

Mesmo antes da pandemia, você era um artista que normalmente compartilhava seus sentimentos e músicas na internet. Mas, infelizmente, a internet também pode trazer algumas partes tóxicas para a vida das pessoas. Você notou alguma mudança, tanto pessoal quanto geral, em como a internet impactou o mundo durante este período pandêmico? Você já se sentiu impactado por coisas que viu na internet? Como isso afeta você e sua música?
Meu sucesso se deve à era da revolução da internet. Sem ele, eu não estaria em qualquer lugar perto de onde estou agora. Mas, em 2020, notei um rápido incêndio na Internet que alterou – e continua alterando – as opiniões do público em geral sobre arte e política, que foi amplamente influenciado por algoritmos de mídia social. Por mais que eu seja a favor de algumas das produções mais esquerdistas que estão surgindo na indústria musical, a sensação de descoberta que eu prezo ao encontrar música de nicho foi diminuída pela indulgência mais rápida do entretenimento, evaporando, portanto, a essência da música cult . Receio que a própria tecnologia que me trouxe o sucesso distorceu minha ideia do que é boa música.

Em abril passado, você fez um show ao vivo e online, o que foi uma oportunidade para muitos de seus fãs verem você no palco. Com as restrições da pandemia começando a mudar nos EUA e em vários outros países, você já se apresentou para uma plateia ao vivo, cara a cara com seus fãs?
Desde a pandemia, não fiz nenhum show ao vivo, mas mal posso esperar para compartilhar essa experiência com meus fãs no ano novo.

Seus lançamentos de 2021 serão concluídos com “Paramour”. O que podemos esperar para 2022? Você já tem planos para novas músicas?
2021 me deu muitas oportunidades para refinar minha música e 2022 será o ano em que finalmente conseguirei lançar alguns dos trabalhos de que mais me orgulho até hoje.

%d blogueiros gostam disto: